Crianças na piscina: 5 cuidados que os pais devem ter

Um banho de piscina é a diversão perfeita para toda a família. Mas é importante ficar atento, especialmente quando há crianças na piscina. Afinal, apenas alguns segundos de distração podem representar um grande perigo para esses pequenos.

Por isso, separamos algumas dicas práticas que vão ajudar você a garantir que esse momento de lazer seja sempre divertido e prazeroso. Confira!

A importância de tomar conta das crianças na piscina

Não há dúvidas de que a prática de atividades físicas tem uma enorme importância para o desenvolvimento das crianças, e isso inclui a natação. Esse tipo de exercício contribui para aprimorar a capacidade cardiorrespiratória, a força, a coordenação motora, o equilíbrio e o tônus da criança, entre muitos outros benefícios.

Por isso, a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que essa atividade comece bem cedo na infância, a partir dos 6 meses de idade. Inclusive, a natação é o único exercício físico que pode ser praticado sem contraindicações em todas as idades.

No entanto, os pais precisam estar atentos aos riscos e se prevenir, pois, sem a devida supervisão e manutenção, a piscina poderá oferecer alguns riscos, como:

  • irritação por produtos químicos utilizados em excesso para o tratamento da água da piscina;
  • acidentes em partes profundas;
  • acidentes em áreas de sucção das piscinas.

Segundo dados divulgados pela Sobrasa (Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático), 51% dos acidentes fatais relacionados a afogamentos de crianças entre 1 e 9 anos de idade ocorrem em piscinas e em residências, e 44% dessas ocorrências acontecem entre novembro e fevereiro, ou seja, no período de férias. Para evitar esses problemas, listamos a seguir 5 cuidados fundamentais que devem ser tomados. 

5 cuidados que você deve ter

1. Esteja atento à profundidade da piscina

A profundidade ideal para piscinas residenciais fica entre 0,60 m e 1,40 m. No entanto, para o uso infantil, recomenda-se o máximo de 0,60 m. O importante é que a criança consiga tocar o pé no chão sem que água fique acima da altura do peito. De qualquer forma, é importante manter constante supervisão, já que as crianças podem se desequilibrar e engolir água.

2. Acompanhe as crianças quando estiverem nadando

Independentemente da idade e da altura da água, é importante que as crianças na piscina sejam monitoradas. Bebês de até 2 anos de idade precisam ser acompanhados por um responsável dentro da água, mesmo que a piscina seja bem rasa. Isso é especialmente importante se houver outras crianças no espaço, já que elas podem empurrar, afundar o bebê ou causar agitação e ondas que podem cobrir o seu rostinho.

Crianças maiores e mais acostumadas com a água também devem ser supervisionadas constantemente, mas não é necessário acompanhá-las de dentro da água. Lembre-se: a supervisão deve ser realmente constante. Não adianta ficar olhando de muito longe, dar as costas para a criança, distrair-se com um telefonema ou sair para fazer alguma coisa e deixá-la sem supervisão.

E o uso de boias? Dispensa o monitoramento? Certamente não. O uso desse recurso depende do tamanho e das habilidades da criança, mas é principalmente recomendado em piscinas grandes ou fundas. No entanto, elas não substituem a supervisão, mesmo que seus filhos saibam nadar.

Algumas pessoas até gostam de espalhar boias pela piscina, mas isso pode dar uma falsa sensação de segurança, pois seria muito difícil para uma criança que se desequilibrou, caiu e engoliu muita água conseguir chegar até uma boia.

3. Verifique a limpeza da piscina

Além dos riscos de acidentes com afogamentos, piscinas malcuidadas podem servir como vetores para a propagação de doenças. Por exemplo, já ouviu falar no cryptosporidium? É um parasita transmitido pelas fezes que é resistente à agua tratada com cloro. Ele consegue sobreviver por até 10 dias na piscina. Ao ser ingerido, a pessoa pode ter diarreia, que pode durar de 4 a 5 dias.

A recomendação é ficar atento à limpeza da piscina. Bordas e azulejos escorregadios, por exemplo, são sinal de lodo, sedimento em que muitas bactérias costumam se alojar. Verifique também se o filtro do motor está funcionando. A água precisa estar transparente o suficiente para permitir enxergar claramente o fundo, sem o aspecto turvo.

Tome cuidado também com o piso ao redor da piscina. Nessas áreas molhadas, o cloro evapora rapidamente por causa do calor, o que aumenta a chance de proliferação de fungos e bactérias. Por isso, vale lavar e secar bem os pés dos pequenos e ajudá-los a calçar chinelos.

4. Mantenha as crianças longe das áreas de sucção

Segundo o relatório da Sobrasa citado anteriormente, acidentes com afogamentos de crianças entre 4 e 12 que sabem nadar ocorrem por causa da sucção da bomba em piscinas. Elas podem ficar presas ao componente por braços, pernas, roupas ou cabelos. Mesmo que estejam com a cabeça para fora da água, a força da sucção pode causar hematomas ou coágulos.

Por isso, as recomendações abaixo são muito importantes:

  • conte o número de ralos, pois quanto maior a quantidade, menor a força de sucção, e mais seguro será — deve haver pelo menos 2 ralos;
  • verifique onde ficam os interruptores de desligamento da bomba de sucção para usá-los em casos de emergências;
  • use ralos do tipo antiaprisionamento, que têm curvas e grade fina;
  • agende a filtragem para um horário em que a piscina esteja fechada;
  • use revestimentos claros na piscina, de modo que seja fácil identificar onde estão os ralos;
  • não permita que as crianças se aproximem da área de sucção.

Se a grade do ralo estiver quebrada, mal fixada ou se simplesmente não estiver instalada, a piscina deve ser interditada.

5. Fique atento aos níveis de cloro presente na água

O cloro é responsável por eliminar fungos, bactérias e outros microrganismos da água. No entanto, quando em excesso, pode causar irritações na pele, nas mucosas do nariz e nos olhos.

Para garantir que o cloro esteja no nível correto, devem ser realizados testes com reagentes, como o Kit Ultraclor Cloro, usado para medir os níveis de pH e de quantidade de cloro total na água.

Crianças na piscina são um sinal de muita diversão. Para garantir isso, siga nossas dicas. Assim, esse momento de lazer só trará ótimas recordações e grandes benefícios!

Quer saber mais sobre como a piscina pode contribuir para o seu bem-estar e dos seus filhos? Então, confira nosso post sobre os benefícios da piscina para a sua saúde




Comments (2)

  1. Tenho uma Caixa de 5000lts com uma bomba sapo dentro puxando para uma caixa de 500. Quero saber porque ela parou, tanto a caixa de 500 secou como a bomba não está mas funcionando… Fui olhar onde estava o nível de água e percebi aínda ela se encontra dentro d’água. Não entendi..

    1. Bom dia,
      As bombas sapo possuem uma vida útil menor, por trabalharem por vibração.
      Além disso, é importante garantir que não falte água ou energia elétrica, a fim de não causar danos a bomba.
      Se a bomba parou de funcionar, o ideal é levá-la em uma assistência técnica autorizada, para que possam verificar se houve algum problema com a bomba.
      Qualquer dúvida estamos à disposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *